sexta-feira, 19 de junho de 2009

2 minutos e 1 fora

Não lembro quantos anos eu tinha, era moleca. Andava de bicicleta na rua e ia parando para conversar com alguém aqui, alguém lá. Sentava na calçada e passava o dia todo batendo papo, dando risada, sujando a roupa. Era época de trocar prioridades: ser a cestinha do time de basquete ou deixar a unha crescer? Demorei pra largar o visual camiseta e bermuda de cotton, mas já tinha jogado a franja para o lado. E já olhava no espelho mais do que 2 vezes por dia.

E justo naquele, deveriam ter sido umas 4. Saí com a bicicleta e a franja para o lado que nunca parava por causa do vento. No começo da rua tinha a Dani e, no final, o tal Alê. Cara de irmão mais velho. Metidinho, achei que me olhava demais. Que olhasse, eu não queria nada. Sentei na metadinha do banco, apoiei os braços no guidão e devolvi a encarada. Só por devolver. Só para abusar. Cerrei os olhos e segurei o ar irresistível de capa de revista. Levou uns 2 minutos até que ele parasse a conversa com a Dani e falasse comigo: “Por que você fica assim, quase fechando o olho e franzindo a testa? Fica tão feinha."

Crescer é cruelmente engraçado.

2 comentários:

likamoraes disse...

Ka.. adoro ler seus posts... você simplesmente transforma palavras em arte. É muito agradável e impossível deixar de ler até o final!

Saudadona...

um beijaum

Karla Lemes disse...

meu deus! quem era esse maluco que perdeu o mulherão que vc virou? rsrsrs...
Pelo menos vc não saiu correndo gritando quando o menino mais gatinho da rua te beijou e enfiou a lingua na sua boca. Que coisa de outro mundo!!!